RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Volume: 29. (Suppl.10) DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20190081

Voltar ao Sumário

Suplemento do 2º Curso de Antibiocoterapia LIPDIP/LADIP

O uso da vacina contra o HPV no brasil e os motivos que levam à não-vacinação

Bárbara Campos Mattos1; Mariana Lemos Pereira Alves1; Marco Polo Assis da Motta1; Rodrigo Seixas Dourado1; Lucas Bernardes da Silveira Barbosa1; Marcela Carolina Passini1

1. Acadêmicos de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano

 

Resumo:

O câncer do colo uterino ocupa o terceiro lugar na incidência de câncer entre as mulheres e o quarto lugar no mundo. Esse câncer tem relação com a infecção pelo vírus HPV, que é transmitido por meio do ato sexual. O objetivo do presente estudo é revisar a epidemiologia do câncer do colo de útero, correlacionar essa doença com a infecção pelo vírus HPV, identificar a população brasileira vacinada assim como os motivos pelos quais pacientes não se vacinam. Trata-se de uma revisão de literatura com abordagem descritiva. Como resultado, foi percebido que, na maioria das regiões brasileiras, o alcance da vacinação foi de 100% em 2014 na primeira dose. Porém, essa relação é reduzida em regiões e estados com piores condições socioeconômicas. A mídia foi a maior fonte de informação para o conhecimento do HPV e da vacina contra ele. Dentre os motivos de resistência para a vacinação, inclui-se o receio das reações adversas da vacina (como síndrome de Guillain-Barré). O presente estudo mostrou que a cobertura da primeira dose da vacina contra o HPV na população brasileira, segundo o DataSUS, é alta e atinge 100% em quase todos os estados brasileiros. Além disso, o DataSUS mostrou que a aplicação da segunda dose foi bem menor e não se sabe os motivos pelos quais a população não aplicou as outras doses.

 

Referências:

1. Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Estimativas 2018: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2018.

2. Markowitz LE, Dunne EF, Saraiya M, Lawson HW, Chesson H, Unger ER. Quadrivalent human papillomavirus vaccine: recommendations of the Advisory Committee on Imunization Practices (ACIP). MMWR Recomm Rep. 2007; 56 (RR-2): 1-24.

3. Barr E, Tamms G. Quadrivalent human papillomavirus vaccine. Clin Infect Dis. 2007;45(5):609-17.

4. Brasil; Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2009: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [On-line]. Brasília- DF; Ministério da saúde; 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_ brasil_2009.pdf

5. Tejeda MDD, Velasco MS, Gómez-Pastrana Nieto F. Câncer de cuello uterino: estado actual de las vacunas frente al vírus del papiloma humano (VPH). Oncología 2007; 30 (2): 42-59. Disponível em: http://scielo.isciii.es/scielo. php?pid=S0378-48352007000200002&script=sci_arttext

6. Roitman B. HPV: uma nova vacina na rede pública. Bol Cient Pediatr. 2015;4(1):3-4.

7. Linhares AC, Villa LL. Vaccines against rotavirus and human papillomavirus (HPV). J Pediatr. 2006;82:S25-34.

8. Markowitz LE, Dunne EF, Saraiya M, Lawson HW, Chesson H, Unger ER et al. Quadrivalent human papillomavirus vaccine: recommendations of the advisory committee on immunization practices (ACIP). MMWR Recomm Rep. 2007;56:1-24.

9. Uronis HE, Bendell JC. Anal cancer: an overview. Oncologist. 2007;12:524-34.