RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Volume: 29 e-2038 DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20190055

Voltar ao Sumário

Artigos de Revisão

Hipertensão renovascular: A importância da sua identificação clínica na abordagem da hipertensão arterial sistêmica (HAS)

Renovascular Hypertension: The Importance of its Clinical Identification in the Approach of Systemic Arterial Hypertension (SAH)

Matheus Henrique Freitas Silva

Universidade Federal do Vale do São Francisco, Curso de Medicina, disciplina de patologia médico-cirúrgica do aparelho circulatório - Petrolina - Pernambuco - Brasil

Endereço para correspondência

Mateus de Sousa Rodrigues
E-mail: mateuserem@gmail.com

Recebido em: 23/10/2017
Aprovado em: 19/08/2019

Instituição: Universidade Federal do Vale do São Francisco, Curso de Medicina, disciplina de patologia médico-cirúrgica do aparelho circulatório - Petrolina - Pernambuco - Brasil

Resumo

INTRODUÇÃO: A hipertensão renovascular (HRV) é uma causa frequente de hipertensão arterial secundária. A HRV é um fator de risco para doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, com uma prevalência de 1-5% em hipertensos e até 30% em alguns grupos específicos. Entretanto, há poucos trabalhos brasileiros sobre o tema.
OBJETIVOS: descrever os aspectos clínicos e epidemiológicos da hipertensão renovascular (HRV) baseado nas evidências científicas dos últimos seis anos (2012-2017).
MÉTODOS: Trata-se de uma revisão de literatura sobre os aspectos clínicos e epidemiológicos da hipertensão renovascular. A base de dados consultada foi o "Pubmed Central®". Os artigos foram selecionados baseados na análise do título e do resumo. Foram considerados apenas trabalho com humanos nos últimos seis anos (2012-2017). O termo de pesquisa utilizado foi "renovascular hypertension". Foram levantados 378 artigos. Entretanto, apenas 33 foram selecionados.
RESULTADOS: A aterosclerose é a principal causa em adultos e em geral, exceto na infância. A HRV é um quadro clínico reversível quando o diagnóstico é precoce. Entretanto, quando tardio, o desfecho comum é a insuficiência renal. A HRV tem repercussão sistêmica, sobretudo cardiovasculares, cerebrovasculares e pulmonares. A arteriografia renal continua sendo o exame padrão-ouro para o diagnóstico. O tratamento da HRV é clínico, endovascular ou cirúrgico. Nesse sentido, houve consenso entre os trabalhos quanto ao tratamento clínico com antagonistas do SRAA, antagonistas da aldosterona, bloqueadores do canal de cálcio, antiagregantes plaquetários e estatinas. Esse conhecimento é fundamental para o aprimoramento do manejo clínico dos pacientes com HRV.

Palavras-chave: Hipertensão renovascular; Epidemiologia; Competência clínica.

 

INTRODUÇÃO

A hipertensão renovascular (HRV) é uma causa frequente de hipertensão arterial secundária (HAS) desenvolvida em resposta à hipoperfusão renal pela hiperativação do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) e hipoplasia renal1, 2, 3. Essa hipoperfusão renal ativa vias inflamatórias nos rins, causa rarificação microvascular nos quadros mais avançados, estresse oxidativo e disfunção endotelial4,5. Isso leva à nefropatia isquêmica e à fibrose intersticial do parênquima renal6. A HAS responde por 5-10% dos casos de hipertensão arterial sistêmica2.

A estenose das artérias renais por aterosclerose é a principal causa da HRV (90% dos casos), seguida pela displasia fibromuscular, arterite de Takayasu e síndromes raras com um percentual de 10%1,7,8. A estenose renal é definida como um estreitamento luminal superior a 50%9. Uma estenose de artéria renal com repercussão hemodinâmica tem pelo menos 70% de estreitamento luminal, ou estreitamento entre 50% e 70% com gradiente de pressão pré-estenose e pós-estenose maior que 20 mmHg5. A estenose da artéria renal é bilateral em um terço dos pacientes7. O percentual de HRV por aterosclerose tende a aumentar ao longo dos anos10.

A displasia fibromuscular é a principal causa de HRV em crianças na América do Norte e na Europa. Já a arterite de Takayasu é a principal etiologia de HRV na Ásia e na África11. A HRV é a causa de hipertensão secundária mais comum em crianças12. Embora rara, a formação de múltiplos microaneurismas intrarrenais também causa hipertensão renovascular, principalmente em grávidas primigestas e em pacientes com doenças do colágeno13. Já houve descrição de HRV secundária à estenose de artéria renal traumática, mas essa causa é rara14. A incidência por causa traumática é 0,57/1.000 pacientes com HRV15. A obliteração da artéria ilíaca também pode ter como desfecho a HRV16.

A prevalência da HRV na população de hipertensos é 1-5% e pode atingir até 30% em alguns grupos específicos2. A HRV é um fator de risco para doenças cardiovasculares (angina instável, infarto agudo do miocárdio e insuficiência cardíaca) e cerebrovasculares (acidentes vasculares cerebrais)2. Nesse sentido, o objetivo desse trabalho é descrever os aspectos clínicos e epidemiológicos da hipertensão renovascular (HRV) baseado nas evidências científicas dos últimos seis anos (2012-2017).

 

MÉTODO

Trata-se de uma revisão de literatura sobre os aspectos clínicos e epidemiológicos da hipertensão renovascular. A base de dados consultada foi o Pubmed Central®. Os critérios de elegibilidade para os artigos selecionados por esta revisão foram os seguintes: análise do título e do resumo, tipo da amostra (foram considerados apenas estudos que avaliaram a HRV em humanos, sendo excluídos aqueles estudos que utilizaram animais) e delimitação temporal dos artigos publicados nos últimos seis anos (2012-2017). O termo de pesquisa utilizado na base de dados foi "renovascular hypertension". Foram levantados trezentos e setenta e oito artigos. Entretanto, apenas trinta e três artigos foram selecionados após aplicação dos critérios de elegibilidade.

Este artigo dispensou aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa (CEP), já que se trata de um artigo de revisão de literatura (Resolução nº 510 de abril de 2016 do Comitê Local).

 

QUADRO CLÍNICO

A HRV é suspeitada nos seguidos quadros clínicos: hipertensão resistente, piora súbita da função renal, edema agudo de pulmão e melhora da função renal após uso de fármacos que atuam no sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA)1,17. O diagnóstico precoce da HRV causada pela estenose das artérias renais favorece à cura. Entretanto, quando o diagnóstico é tardio, o desfecho é a insuficiência renal2.

Um estudo realizado com a pacientes pediátricos observou uma média da pressão arterial igual à 187/127 mmHg18. Os sintomas mais prevalentes foram encefalopatia hipertensiva (36%), cefaléia (29%), insuficiência cardíaca congestiva (14%) e hematêmese (7%). Esse estudo observou que em 14% dos pacientes a hipertensão renovascular era assintomática18. Sintomas como dispnéia e enurese também podem ser observados19.

A HRV está associada com disfunção diastólica. Quando a insuficiência renal é significativa, há também associação com hipertrofia do ventrículo direito e prejuízo tanto a função diastólica quanto sistólica da bomba cardíaca20. Essa fisiopatologia está relacionada à potência da angiotensina-II em induzir a inflamação pela indução da ciclogenase-2 (COX-2) e da prostaglandina F2α. Esse mecanismo resulta na hipertrofia ventricular. Nesse sentido, o tratamento com nimesulida parece reduzir a hipertrofia ventricular21. Entretanto, quando o diagnóstico de HRV é precoce, a terapia medicamentosa, endovascular ou cirúrgica podem alterar esse desfecho20.

A HRV "2 rins-1 clipe" é quando apenas um rim é afetado, enquanto o outro rim é normal. Esse rim contralateral normal geralmente é capaz de regular a HRV para níveis fisiológicos pela natriurese e perda de volume4.

 

EXAMES COMPLEMENTARES E TRATAMENTO

Pacientes com quadro sugestivo de HRV são candidatos à realização de ultrassom de artérias renais, tomografia computadorizada e/ou ressonância magnética1. Entretanto, a tomografia computadorizada e a ressonância magnética diagnosticam a doença das artérias renais em 50% dos casos de HRV18. A ultrassom das artérias renais associada com a tomografia computadorizada permite o diagnóstico em 70% dos casos22.

A arteriografia renal é o exame padrão-ouro para diagnóstico de estenose de artérias renais2. A associação desse exame com angioplastia está indicada quando há refratariedade ao tratamento22. Entretanto, a arteriografia renal pode ser tanto diagnóstica quanto terapêutica23. A angioplastia apresenta eficácia no tratamento da estenose de artérias renais em 94,1% dos casos de HRV24. A principal indicação da angioplastia primária de artérias renais é a piora da função renal com hipertensão arterial resistente e estenose renal severa e unilateral25. Esse procedimento é o tratamento de primeira-linha para HRV por estenose de artéria renal por displasia fibromuscular26. A média de tempo para recuperação da função renal é de 18 meses. Nesse intervalo de tempo, o controle pressórico pode ser realizado com bisoprolol e nifedipino25. A cura completa ocorre em 27% dos casos. O comprimento da lesão é o principal determinante do sucesso clínico da angioplastia de artérias renais24. A angioplastia renal transluminal percutânea apresenta benefícios mesmo em quadro de associação de HRV com atrofia renal27. Os principais benefícios da angioplastia foram observados em pacientes com edema agudo de pulmão recorrente e em pacientes intolerantes ao bloqueio do SRAA5. A angioplastia apresenta menor eficácia em pacientes com doença renovascular avançada em função da rarificação microvascular. Nesses casos, está indicada a terapia com células tronco5. Os tratamentos endovasculares permitem a redução da necessidade de anti-hipertensivos e promovem melhor controle da pressão arterial diastólica no seguimento dos pacientes5.

A HRV deve ser tratada como um equivalente de doença arterial coronariana com controle rigoroso dos níveis tensionais, da obesidade, da glicemia e da lipidemia7, 20,28. O tratamento inicial da hipertensão renovascular deve ser feito com antihipertensivos para estabilizar os níveis pressóricos sanguíneos29. Essa estabilidade é fundamental para sucesso da terapia.

O tratamento com fármacos antagonistas do SRAA, antagonistas da aldosterona, bloqueadores do canal de cálcio, antiagregantes plaquetários e estatinas apresenta boa eficácia clínica no tratamento da HRV1. A mudança de hábitos de vida também deve ser estimulada, sobretudo a cessação do tabagismo e redução da ingestão de sal7,30. A revascularização renal pode ser necessária em casos selecionados1. Ela está mais bem indicada para pacientes que necessitam de terapias mais agressivas como diabéticos5. Já que o diabetes mellitus 1 e 2 é um fator agravante da HRV31.

A embolização da artéria renal é um procedimento alternativo a nefrectomia em pacientes pediátricos com estenose de artérias renais e hipoplasia renal que cursam com estágio terminal de insuficiência renal, hipertensão resistente severa e proteinúria maciça12,32. Além disso, esse procedimento é minimamente invasivo12. A angioembolização é o procedimento de escolhas em casos de associação de HRF com pseudoaneurismas de artéria renal33.

 

CONCLUSÃO

A aterosclerose é a principal causa em adultos e em geral, exceto na infância em que as doenças congênitas prevalecem. A HRV é um quadro clínico reversível quando o diagnóstico é precoce. Entretanto, quando o diagnóstico é tardio, o desfecho comum é a insuficiência renal. A HRV tem repercussão sistêmica, sobretudo cardiovasculares, cerebrovasculares e pulmonares. A arteriografia renal continua sendo o exame padrão-ouro para diagnóstico de estenose de artérias renais. O tratamento da HRV pode ser clínico, endovascular ou cirúrgico. Nesse sentido, houve consenso entre os trabalhos quanto ao tratamento clínico com antagonistas do SRAA, antagonistas da aldosterona, bloqueadores do canal de cálcio, antiagregantes plaquetários e estatinas. Esse conhecimento é fundamental para o aprimoramento do manejo clínico dos pacientes com HRV.

 

REFERÊNCIAS

1. Oliveira-Sales EB, Varela VA, Bergamaschi CT, Campos RR, Boim MA. [Renovascular hypertension]. Exp Physiol. 2015 Apr 20;100(5):491-5. doi: 10.1113/expphysiol.2014.080531.

2. Labidi J, Touat D, Abdelghanim K, Ajili F, Ariba YB, Abdelhafidh NB, Louzir B, Othmani S. Renovascular hypertension: A report of 21 cases. Saudi J Kidney Dis Transpl. 2014 Jan;25(1):96-100. PMID: 24434389.

3. Vogt B, Maillard M, Burnier M. Hypertension therapy in patients with renal artery stenosis. Ther Umsch 2012;69:279- 81. doi: 10.1024/0040-5930/a000286.

4. Textor SC. Secondary hypertension: renovascular hypertension. J Am Soc Hypertens. 2014 Dec;8(12):943-5. doi: 10.1016/j.jas.

5. Textor SC. Renovascular hypertension: is there still a role for stent revascularization? Curr Opin Nephrol Hypertens. 2013 Sep;22(5):525-30. doi: 10.1097/MNH.0b013e328363ffe0.

6. Yerram P, Karuparthi PR, Chaudhary K. Pathogenesis and management of renovascular hypertension and ischemic nephropathy. Minerva Urol Nefrol 2012;64:63-72. PMID: 22402318.

7. Balafa O, Kalaitzidis R, Siamopoulos KC. Optimal medical management in patients with renovascular hypertension. Am J Cardiovasc Drugs. 2013 Apr;13(2):71-8. doi: 10.1007/ s40256-013-0011-x.

8. Li Cavoli G, Tortorici C, Bono L, Ferrantelli A, Giammarresi C, Rotolo U. Takayasu's arteritis presenting as renovascular hypertension. Saudi J Kidney Dis Transpl. 2013 Mar;24(2):384- 6. PMID: 23538372.

9. Pagliaro B, Tocci G, Pagannone E, Musumeci MB, Testa M, Sensini I, Autore C, Ferrucci A, Volpe M. An atypical clinical presentation of renovascular hypertension. Int J Cardiol. 2014 Dec 20;177(3):e107-10. doi: 10.1016/j.ijcard.2014.09.085.

10. Pradhan N, Rossi NF. Interactions between the sympathetic nervous system and angiotensin system in renovascular hypertension. Curr Hypertens Rev. 2013 May;9(2):121-9. PMID: 23971694.

11. Tullus K. Renovascular hypertension--is it fibromuscular dysplasia or Takayasu arteritis. Pediatr Nephrol. 2013 Feb;28(2):191-6. doi: 10.1007/s00467-012-2151-7.

12. Lee JJ, Pai KS, Shin JI, Park SJ. Renovascular hypertension treated by renal artery embolization. Yonsei Med J. 2014 Jan;55(1):273-5. doi: 10.3349/ymj.2014.55.1.273.

13. Miyagawa K, Iwasa N, Nakayama K, Hirata K, Emoto N. Pregnancy and delivery in women with renovascular hypertension due to multiple intrarenal microaneurysms: a report of two cases. Intern Med. 2014;53(20):2325-8. doi: 10.2169/internalmedicine.53.2667.

14. Benito V, Arencibia O, Medina N, Carballo S, Esparza M, Lubrano A. Renovascular hypertension as a rare complication of laparoscopic extraperitoneal paraaortic lymphadenectomy. J Minim Invasive Gynecol. 2013 Jan-Feb;20(1):119-22. doi: 10.1016/j.jmig.2012.08.782.

15. Zargar H, Aning J, Legiehn G, Black P. Renovascular hypertension after laparoscopic partial nephrectomy. J Urol. 2014 May;191(5):1418-20. doi: 10.1016/j.juro.2014.01.103.

16. González-Cáceres AP, Bancu I, Juega-Mariño FJ, Cañas-Solé L, Bonet J, Lauzurica R. Iliac artery obliteration as a cause of renovascular hypertension in kidney graft recipients: A difficult and uncommon diagnosis. Nefrologia. 2015;35(4):413-4. doi: 10.1016/j.nefro.2015.06.007.

17. Caielli P, Frigo AC, Pengo MF, Rossitto G, Maiolino G, Seccia TM, Calò LA, Miotto D, Rossi GP. Treatment of atherosclerotic renovascular hypertension: review of observational studies and a meta-analysis of randomized clinical trials. Nephrol Dial Transplant. 2015 Apr;30(4):541-53. doi: 10.1093/ndt/gfu072.

18. Lu Y, Wu L, Liu F, Hu XH, Qi CH, He L, Huang GY. [Clinical characteristics and imaging evaluation in children with renovascular hypertension]. Zhonghua Er Ke Za Zhi. 2013 Aug;51(8):621-4. Chinese. PMID: 24225296.

19. Sandmann W, Dueppers P, Pourhassan S, Voiculescu A, Klee D, Balzer KM. Early and long-term results after reconstructive surgery in 42 children and two young adults with renovascular hypertension due to fibromuscular dysplasia and middle aortic syndrome. Eur J Vasc Endovasc Surg. 2014 May;47(5):509-16. doi: 10.1016/j.ejvs.2013.12.012.

20. Khangura KK, Eirin A, Kane GC, Misra S, Textor SC, Lerman A, Lerman LO. Extrarenal atherosclerotic disease blunts renal recovery in patients with renovascular hypertension. J Hypertens. 2014 Jun;32(6):1300-6. doi: 10.1097/ HJH.0000000000000160.

21. Park BM, Gao S, Cha SA, Kim SH. Attenuation of renovascular hypertension by cyclooxygenase-2 inhibitor partly through ANP release. Peptides. 2015 Jul;69:1-8. doi: 10.1016/j. peptides.2015.03.022.

22. Humbert J, Roussey-Kesler G, Guerin P, LeFrançois T, Connault J, Chenouard A, Warin-Fresse K, Salomon R, Bruel A, Allain-Launay E. Diagnostic and medical strategy for renovascular hypertension: report from a monocentric pediatric cohort. Eur J Pediatr. 2015 Jan;174(1):23-32. doi: 10.1007/s00431-014-2355-x.

23. Marks SD, Tullus K. Update on imaging for suspected renovascular hypertension in children and adolescents. Curr Hypertens Rep. 2012 Dec;14(6):591-5. doi: 10.1007/s11906- 012-0308-1.

24. Zhu G, He F, Gu Y, Yu H, Chen B, Hu Z, Liang W, Wang Z. Angioplasty for pediatric renovascular hypertension: a 13-year experience. Diagn Interv Radiol. 2014 May-Jun;20(3):285-92. doi: 10.5152/dir.2014.13208.

25. Mark PB, Schiffrin EL, Jennings GL, Dominiczak AF, Wang JG, De Buyzere M, Staessen JA. Renovascular hypertension: to stent or not to stent? Hypertension. 2014 Dec;64(6):1165-8. doi: 10.1161/HYPERTENSIONAHA.114.04497.

26. Smith A, Gaba RC, Bui JT, Minocha J. Management of Renovascular Hypertension. Tech Vasc Interv Radiol. 2016 Sep;19(3):211-7. doi: 10.1053/j.tvir.2016.06.006.

27. Maruyama K, Chinda J, Kabara M, Nakagawa N, Fujino T, Takeuchi T, Hasebe N. Successful percutaneous transluminal angioplasty for the treatment of renovascular hypertension with an atrophic kidney. Heart Vessels. 2015 Mar;30(2):274-9. doi: 10.1007/s00380-013-0457-4.

28. Zhang X, Lerman LO. Obesity and renovascular disease. Am J Physiol Renal Physiol. 2015 Aug 15;309(4):F273-9. doi: 10.1152/ajprenal.00547.2014.

29. Meyers KE, Cahill AM, Sethna C. Interventions for pediatric renovascular hypertension. Curr Hypertens Rep. 2014 Apr;16(4):422. doi: 10.1007/s11906-014-0422-3.

30. Grendelmeier I. [Renal hypertension--the role of the kidneys in blood pressure regulation and the kidneys as end organ]. Ther Umsch. 2015 Jun;72(6):369-74. doi: 10.1024/0040-5930/ a000688.

31. Feloni S, Radermacher L, Remy C, Jousten J, Corman V. [Clinical case of the month. Renovascular arterial hypertension complicated by diabetes insipidus: report of a case and review of the literature]. Rev Med Liege. 2013 Jul-Aug;68(7-8):412-7. PMID: 24053101.

32. Khangura KK, Eirin A, Kane GC, Misra S, Textor SC, Lerman A, Lerman LO. Cardiac function in renovascular hypertensive patients with and without renal dysfunction. Am J Hypertens. 2014 Mar;27(3):445-53. doi: 10.1093/ajh/hpt203.

33. Judd E, Lockhart ME, Rizk DV. Renovascular hypertension associated with pseudoaneurysm following blunt trauma. Am J Kidney Dis. 2013 Oct;62(4):839-43. doi: 10.1053/j. ajkd.2012.12.034.