RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Volume: 27. (Suppl.4) DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20170040

Voltar ao Sumário

Atualização Terapêutica

Broncoespasmo em anestesia

Bronchospasm in anaesthesia

Paula Borela Perfeito Abud1; Flora Margarida Barra Bisinotto2; Tiago Caneu Rossi3; Luciano Alves Matias da Silveira4; Lígia Borela Perfeito5

1. Título Superior em Anestesiologia - Médica Anestesiologista do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
2. Título Superior em Anestesiologia - Professora Associada da Disciplina de Anestesiologia e Responsável pelo CET/SBA do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
3. Médico em Especializaçao do CET/SBA do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
4. Professor Auxiliar da Disciplina de Anestesiologia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
5. Médica {Graduaçao em fisioterapia pela universidade de Uberaba}

Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Resumo

O broncoespasmo é um quadro caracterizado pela hiper-reatividade aguda das vias aéreas com obstrução ao fluxo aéreo. Tem como fatores desencadeantes a manipulação das vias aéreas durante a intubação traqueal ou ser parte de uma reação imunológica durante a anestesia. O diagnóstico é feito pela presença de sibilios associados a alterações ventilatórias e na capnografia, e deve ser feito o diagnóstico diferencial com processos obstrutivos tanto na cânula de intubação quanto no circuito respiratório. O tratamento deve ser instituído rapidamente com estimulantes beta adrenérgicos, como o salbutamol, seguido por medicamentos de segunda linha como a adrenalina, para evitar o aparecimento de hipoxemia associada a alterações cardiocirculatórias que podem culminar com parada cardíaca.

 

INTRODUÇÃO

O broncoespasmo é uma condição clínica caracterizada por uma hiper-reatividade das vias aéreas, com alto potencial de desfecho negativo para o paciente durante um procedimento anestésico-cirúrgico. Pode ser definido como um aumento repentino (agudo) dotônus da musculatura lisa brônquica, associado à obstrução ao fluxo aéreo de curta duração (mais prováveis minutos do que horas)1.

Durante o período perioperatório, o broncoespasmo frequentemente ocorre durante a indução da anestesia, mas pode também ser detectado em qualquer outro momento do período intraoperatório, e estar associado a uma reação alérgica/anafilática ou ser desencadeado por fatores mecânicos e/ou farmacológicos. Na suspeita de um broncoespasmo, seu diagnóstico e tratamento precisos devem ser rápidos, e na sequência, deve-se avaliar o que motivou aquela condição clínica2.

O objetivo desse artigo é fazer uma revisão dos principais aspectos relacionados ao broncoespasmo em um paciente submetido a anestesia.

 

INCIDENCIA, ETIOLOGIA E FATORES DE RISCO

A incidência de broncoespasmo em anestesia geral é em torno de 0,2%, podendo chegar a 2% em pacientes com asma ou outras doenças pulmonares obstrutivas crônicas (DPOC) controladas3. Em crianças, a incidência de broncoespasmo perioperatório é de 0,2% a 4,1%, com um aumento para 2,2% a 5,7% nas crianças asmáticas4-6.

Ocorre com maior frequência no período da indução anestésica (44%), seguido da manutenção da anestesia (36%) e, em menor incidência, no período de extubação e recuperação anestésica (20%)7. Na indução, deve-se principalmente à irritação mecânica causada pela manipulação da via aérea durante a intubação. Na manutenção, relaciona-se principalmente às reações alérgica/anafilática por drogas, como antibióticos e bloqueadores neuromusculares (BNM), hemoderivados e látex, e pode haver sinais cutâneos e alterações hemodinâmicas associadas2.

Os fatores desencadeantes podem ser relativos ao paciente, como aumento de secreções, alterações no tônus simpático-vagal, infecções respiratórias agudas - com ênfase a crianças com infecção de vias aéreas superiores (IVAS) - e relacionados à stress físico. Fatores ambientais também podem estar associados, como poeira, pólen, pelos de animais, cigarro (tabagismo ativo ou passivo), poluição do ar, assim como fatores associados a medicamentos, como uso de BNM, antibióticos, beta-bloqueadores, protamina, anestésicos locais do tipo éster, opioides naturais e conservantes utilizados em medicamentos. Produtos hospitalares devem ser lembrados, como látex e utilização de dispositivos de ventilação invasivos8.

O broncoespasmo é uma das manifestações clínicas das doenças que cursam com hiper-reatividade das vias aéreas como a asma e DPOC. Pacientes sabidamente portadores dessas patologias podem ter o broncoespasmo desencadeado por qualquer um dos fatores acima mencionados. Uma hiper-reatividade brônquica também tem sido associada à exposição pré-operatória ao fumo, infecção do trato respiratório superior e história de atopia. Muitos desses fatores também predispoem a ocorrência do laringoespasmo.

A abordagem das vias aéreas ou a estimulação cirúrgica sob anestesia superficial aumentam o risco de broncoespasmo. Certos procedimentos cirúrgicos possuem estágios altamente estimulantes que podem desencadeá-lo, como dilatação anal ou cervical uterina, postectomia, remoção da veia safena e tração peritoneal.

Alguns anestésicos voláteis, como isoflurano e o desflurano, introduzidos de forma rápida podem levar a quadros de broncoespasmo.

Em pacientes sem risco aumentado de hiper-reatividade, que apresentam com quadro clínico de broncoespasmo sem causa aparente, deve-se pensar em broncoaspiração. Essa situação ocorre, principalmente, com o uso de máscara laríngea (LMA), mas também pode ocorrer com a utilização de um tudo traqueal sem balonete. Uma história de refluxo gastroesofágico ou tosse súbita em um paciente que respira espontaneamente com uma LMA deve aumentar a suspeita.

 

FISIOPATOLOGIA

O broncoespasmo caracteriza-se pela constrição da musculatura lisa dos brônquios associada ao edema e hipersecreção da mucosa que levam à obstrução do fluxo aéreo difusamente nos pulmoes. Pode envolver uma reação de hipersensibilidade mediada por Imunoglobulina E (reação anafilática IgE mediada) ou por um mecanismo não-alergênico mecânico (irritação pela intubação) ou farmacológico (liberação de histamina por determinados BNM)2. Figura 1.

 


Figura 1. Mecanismos envolvidos em uma situação de broncoespasmo no período perioperatório antes e depois de uma abordagem da via aérea 2.

 

Os mecanismos de exacerbações asmáticas que resultam na broncoconstrição envolvem nervos nas vias aéreas, musculatura lisa, células epiteliais e inflamatórias. A broncoconstricção reflexa, induzida por irritação da via aérea superior por um corpo estranho (por exemplo, tubo traqueal), é modulada pela sinapse de vias sensoriais aferentes no núcleo do trato solitário, que se projetam nos neurônios pré-ganglionares vagais relacionados à via aérea. O neurotransmissor excitatório, glutamato, modula a estimulação do núcleo do trato solitário e dos neurônios pré-ganglionares vagais relacionados às vias respiratórias, enquanto que o neurotransmissor inibitório, ácido γ-aminobutírico A (GABA-A), inibe os mesmos. A saída excitatória dos neurônios vagais pré-ganglionares é transportada pelo nervo vago às vias aéreas e resulta em liberação de acetilcolina que age sobre o receptor muscarínico M3 no músculo liso da via aérea e induz à constrição da mesma. Assim, o estímulo inicial irritante na via aérea envia um sinal aferente ao tronco encefálico, resultando em um sinal eferente pelo nervo vago, que libera acetilcolina na via aérea (Figura 2). A acetilcolina, que atua nos receptores muscarínicos M3 no músculo liso da via aérea, é um componente chave da broncoconstricção reflexa induzida. Por isso, o uso de medicamentos inalatórios anticolinérgicos, como o brometo de ipratrópio, são eficazes no tratamento desse fenômeno. Além disso, os nervos não colinérgicos, não adrenérgicos, que liberam taquicininas, peptídeo intestinal vasoativo e peptídeo relacionado com o gene da calcitonina podem participar deste arco reflexo e liberar localmente os neurotransmissores pró-contráteis por meio da ativação de interneurônios na via aérea. Um estudo recente sugere que o propofol relaxa a constrição brônquica induzida por taquicinina no músculo liso da via aérea2.

 


Figura 2. Diagrama mostrando as vias envolvidas na broncoconstricção induzida pela intubação. A via aérea superior está inervada por vias sensoriais aferentes que fazem sinapse no núcleo do trato solitário (nTS), o qual projeta neurônios excitatórios glutaminérgicos e inibidores-gabaérgicos-A (GABA) para os neurônios pré-ganglionares (AVPN) relacionados à via aérea. Os eferentes pré-ganglionares parassimpáticos vao pelo nervo vago liberar acetilcolina nos receptores muscarínicos M3 no músculo liso da via aérea que induzem broncoconstrição2.

 

É conhecido clinicamente que a profundidade da anestesia modula a probabilidade de induzir a uma broncoconstricção reflexa, mas os mecanismos farmacológicos pelos quais isso ocorre são desconhecidos. O propofol e os anestésicos inalatórios voláteis (com exceção do desflurano) são clinicamente efetivos na prevenção da broncoconstricção reflexa, já que compartilham atividade em canais de cloreto do GABA-A. Assim, especulou-se que a modulação da entrada de GABA-A nos neurônios vagais pré-ganglionares relacionados com as vias aéreas do núcleo do trato solitário e dos centros superiores do sistema nervoso central pode ser um mecanismo pelo qual o aprofundamento da anestesia previne ou alivia a broncoconstricção reflexa. Além disso, tanto o propofol como os anestésicos inalatórios têm efeitos broncodilatadores diretos sob o músculo liso das vias aéreas, atuando através de canais GABA-A e modulando proteínas contráteis sensibilizadas por cálcio2.

 

DIAGNOSTICO E DIAGNOSTICOS DIFERENCIAIS

O diagnóstico clínico é feito através da presença de sibilos à ausculta pulmonar, tempo expiratório prolongado, aumento de pressão intra-traqueal, redução de volume corrente durante a ventilação e queda na saturação de pulso de oxigênio. No entanto, para haver sibilos é necessário que haja passagem de ar através das vias aéreas estreitadas e, em casos de broncoespasmo grave a sibilância pode ser ausente, visto que não há movimento de ar3,7.

A redução do calibre das vias aéreas e a expiração prolongada resultam em um aumento tardio do gás carbônico, na curva final da capnografia o que representa obstrução na expiração (Figura 3). Devido à limitação para a saída do ar, é necessário um período expiratório prolongado para que a pressão alveolar se normalize. A ventilação com pressão positiva, fornecida antes da expiração completa, pode gerar uma pressão expiratória final intrínseca positiva (auto-PEEP), que pode aumentar a pressão intra-torácica, com diminuição do retorno venoso e, assim, levar à redução do débito cardíaco3.

 


Figura 3. Curva característica de capnografia com padrao obstrutivo3.

 

Cabe ao médico anestesiologista ter em prontidao os possíveis diagnósticos diferenciais:

a) Obstrução mecânica: tubo traqueal torcido ou obstruído por secreções, localização endo-brônquica ou esofágica e oclusão no circuito respiratório. Nestes casos, como não há movimento de ar, pode haver a simulação de um broncoespasmo grave. Por isso, na suspeita de um broncoespasmo deve-se sempre verificar o circuito respiratório e garantir a disponibilidade de outra forma de ventilação, como um balao auto-inflável de silicone, para se fazer o diagnóstico diferencial3.

b) Laringoespasmo: em pacientes não intubados apresenta-se com ruídos nas vias aéreas superiores (estridor inspiratório), sons respiratórios reduzidos e dificuldade na ventilação. O laringoespasmo pode apresentar sinais de obstrução das vias aéreas e o movimento paradoxal do tórax e do abdômen3.

Os diagnósticos diferenciais podem ser ainda de acordo com a sintomatologia apresentada:

a) Causas de sibilos: obstrução parcial do tubo traqueal (tubo traqueal em contato com a carina ou na intubação endo-brônquica), na presença de edema pulmonar, aspiração de conteúdo gástrico, embolia pulmonar, pneumotórax hipertensivo e corpo estranho na árvore traqueobrônquica3.

b) Causas de aumento da pressão intra-traqueal: utilização de volume corrente elevado; tubo traqueal de pequeno diâmetro que pode gerar altas pressões inspiratórias, e certas condições relacionadas ao paciente, como a presença de obesidade, posição de céfalo-declive e a presença de pneumoperitônio nas cirurgias videolaparoscópicas3.

 

TRATAMENTO E PROFILAXIA

O tratamento deve ser feito em duas etapas: no momento do evento adverso e o cuidado no pós-operatório.

Na suspeita de um broncoespasmo, o paciente deve ser ventilado manualmente e realizada a ausculta pulmonar concomitante para avaliar a presença de sibilos. Deve-se checar o tubo traqueal quanto à presença de secreções, à sua posição (esofágico ou endo-brônquico) ou se há obstrução mecânica (dobrado ou obstruído). Em casos de ventilação sob mascara laríngea, deve-se avaliar a possibilidade de regurgitação e aspiração, a obstrução da via aérea ou a presença de laringoespasmo. Deve-se ventilar o paciente com sistema alternativo bolsa auto-inflável, para se excluir causas relacionadas à obstrução do circuito do aparelho de anestesia7. Caso não se consiga ventilar pelo tubo traqueal (TT), deve-se considerar o mais precoce os diagnósticos diferenciais: TT mal posicionado ou dobrado, circuito anestésico obstruído, pneumotórax, aspiração gástrica, anafilaxia, edema pulmonar, obstrução distal ao TT (introduz-se mais o TT e ventila o outro pulmão ou passa um TT de menor diâmetro por este)7.

Após a confirmação do broncoespasmo, deve-se administrar oxigênio a 100%, cessar o estímulo cirúrgico, buscar por ajuda e iniciar aprofundamento do plano anestésico. O tratamento medicamentoso deve ser iniciado com a administração de salbutamol, medicação de primeira linha para tratamento de broncoespasmo, por via inalatória ou venosa, em doses necessárias até a estabilização do quadro. Caso não haja resposta eficaz, inicia-se a segunda linha de medicamentos, com a administração de corticosteroides, sulfato de magnésio, brometo de ipratrópio, aminofilina, cetamina e adrenalina.

A ventilação mecânica deve ter o objetivo de prevenir ou corrigir a hipoxemia. O volume corrente deve ser diminuído para que se evite altas pressões de pico nas vias aéreas e a possibilidade de ocorrência de barotrauma. A hipercapnia é tolerada se a oxigenação for adequada, desde que a acidose grave não se desenvolva (pH <7,15). O tempo de expiração deve ser ajustado para valores superiores, para que haja exalação completa e redução do auto-PEEP, reduzindo alterações hemodinâmicas. Além disso, a redução da frequência respiratória com o intuito de redução do auto-PEEP deve ser realizada, com manutenção da razao inspiratória: expiratória de pelo menos 1:23.

Após a resolução do evento adverso no intra-operatório, deve-se solicitar uma radiografia de tórax para excluir outras causas como edema pulmonar e pneumotórax, e instituir de imediato uma terapia regular com broncodilatadores, corticosteroides e fisioterapia respiratória. Caso o paciente ainda apresente clínica em curso, deve-se transferir o paciente para unidade de terapia intensiva. Em casos de suspeita ou identificação de uma reação anafilática grave, a solicitação de amostras de triptase é mandatória, assim como o encaminhamento do paciente a um centro especializado em alergia para uma investigação aprofundada. Como resumo do tratamento, conduta e medicações a serem empregadas com as devidas dosagens, tem-se um organograma nas ilustrações. Figuras 4 e 5. Tabela 1.

 


Figura 4. Manejo do paciente com suspeita de broncoespasmo durante o período intra-operatório3.

 

 


Figura 5. Abordagem passo-a-passo do tratamento do broncoespasmo intraoperatório de acordo com o cenário clínico2.

 

 

 

Como profilaxia, deve-se avaliar e otimizar os pacientes com asma ou outras doenças pulmonares para a cirurgia. Sibilância, tosse, aumento da produção de escarro e falta de ar indicam um controle inadequado dessas patologias. Exacerbações recentes ou frequentes, ou admissões hospitalares podem ser um indicativo para adiar a cirurgia eletiva. Os pacientes devem continuar sua medicação até o momento da cirurgia, sendo que os broncodilatadores pré-operatórios, corticosteroides inalados ou orais, fisioterapia respiratória e encaminhamento para pneumologista podem ser necessários. Além disso, um histórico cuidadoso da medicação deve ser feito, frisando sensibilidade a drogas (broncoespasmo induzido por uso de anti-inflamatórios em asmáticos pode atingir uma incidência de até 15%). A orientação sobre o fim do tabagismo no pré-operatório, de seis a oito semanas antes da cirurgia, precisa ser estimulada, pois reduz o risco de complicações respiratórias no perioperatório.

Crianças com IVAS, presente ou recente, apresentam uma taxa de complicações respiratórias perioperatórias de 24% a 30%, em comparação com 8% a 17% em crianças sem IVAS9,10. Não existe um consenso sobre o melhor momento para se realizar uma cirurgia eletiva em crianças com IVAS recente. A duração da susceptibilidade à hiperreatividade brônquica em crianças após uma IVAS não é clara, mas sabe-se que persiste bem além da resolução dos sintomas11. Um grande estudo observacional em 9297 crianças programadas para cirurgias eletivas com IVAS presente ou recente (menos de duas semanas) tiveram mais eventos adversos respiratórios (25% e 29%, respectivamente) durante a cirurgia, do que aquelas sem infecção ou com IVAS entre duas e quatro semanas (12% e 8%, respectivamente)10.Como muitas crianças apresentam várias infeções por ano, o momento certo para a cirurgia deve ser feito por um julgamento clínico e o risco de eventos respiratórios associados à presença de outros fatores de risco.

Quando se decide em proceder a anestesia e cirurgia, é necessário otimizar o paciente. O pré-tratamento com um agonista beta-adrenérgico inalado trinta minutos antes da cirurgia, associado a uma indução anéstesica com utilização do propofol e uma profundidade anestésica adequada antes da instrumentação da via aérea mostra-se importante na redução do risco de broncoespasmo. A utilização de máscara laríngea (em pacientes adequados à sua utilização) mostrou reduzir a incidência de broncoespasmo em comparação com a intubação endotraqueal12-13. As técnicas regionais, quando apropriadas, também podem evitar a necessidade de anestesia geral e intubação, com consequente redução de casos de complicações respiratórias3,14.

Os anestésicos voláteis apresentam um efeito broncodilatador direto15. Embora em pacientes não asmáticos todos os anestésicos halogenados apresentem a capacidade de abolir os reflexos de broncoconstricção quando há estímulo na via aérea, isto pode não ocorrer em pacientes asmáticos16. O sevoflurano, em comparação com o isoflurano e halotano, parece ter maior efeito protetor e broncodilatador15,17. De modo contrário, o desflurano aumenta o tônus da musculatura lisa brônquica, com aumento da resistência das vias aérea, particularmente em crianças asmáticas17,18. Deve ser evitado em pacientes pediátricos, especialmente naqueles com asma, pois se associa a aumento na incidência de broncoespasmo10.

Quando comparado com os anestésicos halogenados, o propofol é superior em inibir os reflexos broncoconstrictores das vias aéreas, mas apresenta menor efeito broncodilatador19. O propofol é associado com menor resistência nas vias aéreas quando comparado com o etomidato e o tiopental15,20. A cetamina possui a propriedade de relaxamento da musculatura lisa brônquica por um efeito direto, e inibição dos reflexos broncoconstrictores das vias aéreas. Ainda não há relatos de investigação da superioridade da cetamina em relação ao propofol em pacientes propensos à hiperrreatividade das vias aéreas21.

 

CONCLUSÃO

Os anestesiologistas devem saber reconhecer os sinais clínicos de apresentação, pensar nos possíveis diagnósticos diferenciais e estarem preparados para realizar um tratamento adequado e eficiente do broncoespasmo, a fim de diminuir a morbi-mortalidade do paciente. Devem, ainda, acompanhar a evolução e explicar de forma completa ao paciente e familiares o que ocorreu, além de documentar no registro anestésico e fornecer uma carta ao mesmo para alertar futuros anestesiologistas. Se um determinado evento precipitante foi significativo ou uma ação particular foi útil para resolver a crise, isso deve ser claramente explicado e documentado.

 

REFERENCIAS

1. Regli A, von Ungern-Sternberg BS. Anesthesia and ventilation strategies in children with asthma: part I - preoperative assessment. Curr Opin Anaesthesiol. 2014; 27(3): 288-94. doi: 10.1097/ACO.0000000000000080.

2. Dewachter P, Mouton-Faivre C, Emala CW, Beloucif S. Case scenario: bronchospasm during anesthetic induction. Anesthesiology. 2011; 114(5):1200-10. doi: 10.1097/ ALN.0b013e3182172cd3.

3. Loosley A. Management of bronchospasm during generalanaesthesia. Clinical Overview Articles. Update in Anaesthesia. [capturado 03 nov 2017]. Disponível em: <http://e-safeanaesthesia.org/e_library/05/Bronchospasm_ during_anaesthesia_Update_2011.pdf>.

4. Olsson GL. Bronchospasm during anaesthesia. A computer-aided incidence study of 136,929 patients. Acta Anaesthesiol Scand. 1987; 31(3): 244-52.

5. Orestes MI, Lander L, Verghese S, Shah RK. Incidence of laryngospasm and bronchospasm in pediatric adenotonsillectomy. Laryngoscope. 2012; 122(2): 425-8. doi: 10.1002/lary.22423. Epub 2012 Jan 17.

6. Mamie C, Habre W, Delhumeau C, Argiroffo CB, Morabia A. Incidence and risk factors of perioperative respiratory adverse events in children undergoing elective surgery. Paediatr Anaesth. 2004; 14(3): 218-24.

7. Westhorpe RN, Ludbrook GL, Helps SC. Crisis management during anaesthesia: bronchospasm. Qual Saf Health Care. 2005; 14(3): e7.

8. Woods BD, Sladen RN. Perioperative considerations for the patient with asthma and bronchospasm. Br J Anaesth. 2009; 103(1):i57-65. doi: 10.1093/bja/aep271.

9. Tait AR, Malviya S, Voepel-Lewis T, Munro HM, Seiwert M, Pandit UA. Risk factors for perioperative adverse respiratory events in children with upper respiratory tract infections. Anesthesiology. 2001; 95(2): 299-306.

10. von Ungern-Sternberg BS, Boda K, Chambers NA, Rebmann C, Johnson C, Sly PD, et al. Risk assessment for respiratory complications in paediatric anaesthesia: a prospective cohort study. Lancet. 2010; 376(9743): 773-83. doi: 10.1016/S0140-6736(10)61193-2.

11. Regli A, Becke K, von Ungern-Sternberg BS. An update on the perioperative management of children with upper respiratory tract infections. Curr Opin Anaesthesiol. 2017; 30(3): 362-7. doi: 10.1097/ACO.0000000000000460.

12. Yu SH, Beirne OR. Laryngeal mask airways have a lower risk of airway complications compared with endotracheal intubation: a systematic review. J Oral Maxillofac Surg. 2010;b68(10): 2359-76. doi: 10.1016/j.joms.2010.04.017.

13. Drake-Brockman TFE, Ramgolam A, Zhang G, Hall GL, von Ungern-Sternberg BS. The effect of endotracheal tubes versus laryngeal mask airways on perioperative respiratory adverse events in infants: a randomised controlled trial. The Lancet. Volume 389, No. 10070, p701-708, 18 February 2017. doi: 10.1016/S01406736(16)31719-6

14. Menezes CC, Vieira Je. Condutas no tratamento do broncoespasmo no perioperatório. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2002; 52(6): 728-738. doi: 10.1590/S0034-70942002000600010.

15. Habre W, Petak F. Anaesthesia management of patients with airway susceptibilities: what have we learnt from animal models? Eur J Anaesthesiol. 2013 30(9): 519-28. doi: 10.1097/ EJA.0b013e328361d404.

16. Lele E, Petak F, Carnesecchi S, Virag K, Argiroffo CB, Habre W. The protective effects of volatile anesthestics against the bronchoconstriction induced by an allergic reaction in sensitized rabbit pups. Anesth Analg. 2013;116(6):1257-64. doi: 10.1213/ANE.0b013e31828e5ccf. Epub 2013 Apr 16.

17. von Ungern-Sternberg BS, Saudan S, Petak F, Hantos Z, Habre W. Desflurane but not sevoflurane impairs airway and respiratory tissue mechanics in children with susceptible airways. Anesthesiology. 2008;108(2):216-24. doi: 10.1097/01.anes.0000299430.90352.d5.

18. Dikmen Y, Eminoglu E, Salihoglu Z, Demiroluk S. Pulmonary mechanics during isoflurane, sevoflurane and desflurane anaesthesia. Anaesthesia. 2003;58(8):745-8.

19. Nonaka M, Sakanashi Y, Sugahara K, Terasaki H. Incidence of asthmatic attack during anesthesia in patients with a history of bronchial asthma. Masui. 1999;48(7):759-62.

20. Kabara S, Hirota K, Hashiba E, Yoshioka H, Kudo T, Sato T, et al. Comparison of relaxant effects of propofol on methacholine-induced bronchoconstriction in dogs with and without vagotomy. Br J Anaesth. 2001;86(2):249-53.

21. Regli A, von Ungern-Sternberg BS. Anesthesia and ventilation strategies in children with asthma: part II - intraoperative management. Curr Opin Anaesthesiol. 2014;27(3):295-302. doi: 10.1097/ ACO.0000000000000075.