RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Volume: 25. 3 DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20150086

Voltar ao Sumário

Relato de Caso

Linfoma primário de efusão em mulher com síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA), derrame pleural e ascite: diagnóstico citológico e imunocitoquímico

Primary effusion lymphoma in women with acquired immunodeficiency syndrome (AIDS), pleural effusion, and ascites: cytological diagnosis and immunocytochemistry

Rafael Alvarenga Brandão1; Jõao Henrique do Amaral e Silva2; Natália Freitas de Pinho Tavares3

1. Médico Residente de Patologia no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM. Uberaba, MG - Brasil
2. Médico. Mestrando em Patologia Humana pela UFTM. Uberaba, MG - Brasil
3. Médica. Programa Estratégia de Saúde da Família. Uberaba, MG - Brasil

Endereço para correspondência

Rafael Alvarenga Brandão
E-mail: rafa_brandao@hotmail.com

Recebido em: 30/07/2014
Aprovado em: 15/04/2015

Instituição: Hospital das Clínicas da UFTM Uberaba, MG - Brasil

Resumo

O linfoma primário de efusão é tipo raro de forma não Hodgkin que se manifesta com derrame cavitário, em geral associado à imunodepressão. Associa-se à infecção pelo vírus herpes humano 8 (HHV-8), fato necessário para que seja confirmado seu diagnóstico. Este relato descreve o linfoma primário de efusão, diagnosticado por meio de citologia e imunocitoquímica, em paciente com manifestação não usual de comprometimento de duas cavidades serosas. Seu prognóstico é reservado e seu tratamento é limitado.

Palavras-chave: Linfoma não Hodgkin; Derrame Pleural; Ascite; Herpesvirus Humano 8.

 

INTRODUÇÃO

O linfoma primário de efusão, também conhecido como linfoma primário de cavidades, é tipo raro de linfoma não Hodgkin de linfócitos B maduros com morfologia de células grandes e que se manifesta com derrame cavitário, geralmente em uma cavidade serosa.1 Devem estar ausentes massas extracavitárias, mas podem ocorrer na pleura, trato gastrintestinal, pele, pulmões, encéfalo e linfonodos, quando em fase avançada.2 A maioria dos pacientes são homens jovens ou de meia-idade com grave imunodepressão, comumente causada pela infecção por vírus da imunodeficiência humana (VIH). Ainda, acomete pacientes imunocomprometidos em virtude de cirrose hepática e tratamento imunossupressor por transplante de órgãos.3 Em raros casos pode acometer pacientes imunocompetentes, geralmente idosos. Não há protocolo de tratamento bem definido e a doença tem mau prognóstico.

Este relato descreve o linfoma primário de efusão, neoplasia linfoide rara, diagnosticado a partir de citologia e imunocitoquímica, em paciente com manifestação não usual de comprometimento de duas cavidades serosas (derrame pleural e ascite), associado à infecção pelo VIH e à síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS).

 

RELATO DE CASO

Paciente feminina, 42 anos de idade, soropositiva para HIV, com diagnóstico há dois anos e que desenvolveu dor abdominal e tosse há uma semana. Encontrava-se em regular estado geral, taquicárdica, taquipneica, normotensa e com distensão abdominal em virtude de ascite de médio volume, confirmada por ultrassonografia abdominal e derrame pleural por telerradiografia de tórax. A toraco e paracenteses obtiveram espécime clínico para avaliação laboratorial. O exame citológico dos líquidos pleural e ascítico evidenciou sedimento rico em células linfoides grandes, redondas, descoesas, com alta relação núcleo-citoplasmática, núcleos hipercromáticos, pleomórficos, com nucléolos proeminentes e citoplasmas pouco amplos, basofílicos e microvacuolizados, além de numerosas células com cariorrexe (Figura 1).

 


Figura 1 - Exame citológico do líquido ascítico evidenciando células linfóides neoplásicas, HE (40X).

 

O estudo imunocitoquímico evidenciou células neoplásicas positivas para CD45, HHV-8 (Figura 2), vimentina e índice de proliferação celular de 80% evidenciado pelo marcador Ki-67. Observou-se negatividade das células para CD3, CD20, AE1/AE3, Melan-A e S-100. O diagnóstico estabelecido foi de linfoma primário de efusão. Poucos dias após o diagnóstico, evoluiu para óbito em insuficiência respiratória.

 


Figura 2 - Células neoplásicas positivas para HHV-8 em estudo imunocitoquímico (40X).

 

DISCUSSÃO

Derrames cavitários em pacientes HIV-positivo possuem causas diversas4 e constituem desafio diagnóstico clínico.5 A citologia é parte integrante do algoritmo de avaliação dos líquidos aspirados para diagnóstico diferencial entre dezenas de condições funcionais, inflamatórias, infecciosas e neoplásicas.6

O linfoma primário de efusão é neoplasia rara que se manifesta com derrames cavitários, em especial diante de imunossupressão com ascite, derrame pleural e pericárdico.

A imunossupressão constitui-se em comorbidade associada ao linfoma primário de efusão e, inclusive, à sua presença como rara complicação durante o tratamento de doença inflamatória intestinal.7 Além disso, há possibilidade de que a hipogamaglobulinemia possa contribuir para o seu desenvolvimento.8

Associa-se, como pré-requisito para seu diagnóstico, à infecção pelo vírus herpes humano 8 (HHV-8). A infecção pelo HHV-8, comum em outras doenças, como no sarcoma de Kaposi e doença de Castleman multicêntrica,9,10 é malcontrolada in vivo, provavelmente por falha no reconhecimento das células infectadas e na citotoxicidade pelos linfócitos T11, o que permite a infecção latente no organismo. O HHV8 atua na patogênese da neoplasia, por codificar genes que conferem sinais proliferativos e antiapoptóticos. A coinfecção pelo vírus Epstein-Barr (EBV) também é comum, mas provavelmente sem influência patogenética.12 Em 90 a 95% das vezes associa-se à infecção pelo VIH e na maioria das vezes ao EBV. Observam-se, entretanto, casos negativos para EBV e, em geral, em idosos originários da região mediterrânea.12, 13

O material dos aspirados de derrames cavitários emblocado em parafina é de grande utilidade para a realização de estudos complementares, como a imunocitoquímica e hibridação in situ.14 As células do linfoma primário de efusão são linfócitos atípicos, grandes, comumente pleomórficos, eventualmente anaplásicos e positivos para o marcador CD45 e negativos para marcadores de linhagem de linfócitos B e T. Há, em geral, positividade para marcadores de ativação linfocitária (CD30, CD38, CD71 e antígeno de membrana epitelial), além de diferenciação plasmocitária (CD138) e de estágio tardio de diferenciação do linfócito B (MUM1).15

O diagnóstico definitivo é obtido com a detecção da infecção pelo HHV8 nas células neoplásicas a partir da expressão do antígeno nuclear associado à latência (LANA-1) revelada por imunocitoquímica;16 e rearranjos clonais dos genes de imunoglobulina em estudos moleculares indicam origem em linfócito B pós-centro germinativo.

Há casos de linfomas sólidos sem derrame cavitário positivos para o HHV-8 e, apesar de pequenas diferenças clínicas e imuno-histoquímicas, estudos de perfil de expressão gênica e análise de proteomas indicam que esses linfomas pertencem ao espectro do linfoma primário de efusão.17 Observa-se em modelo animal com ratos imunodeprimidos, em que se injeta na cavidade peritoneal células linfomatosas HHV-8 positivo, a formação de ascite, o surgimento de tumores sólidos únicos ou múltiplos em diversos órgãos e tecidos da cavidade abdominal.18

O linfoma primário de efusão é neoplasia de alta mortalidade, na maioria dos casos após um ano do diagnóstico. A idade avançada limita o uso de agentes quimioterápicos, propiciando recidivas e perda do controle das efusões.19 Em pacientes imunocomprometidos e naqueles tratados para HIV com a terapia antirretroviral potente, o uso da quimioterapia é limitado devido à soma dos efeitos sistêmicos com os deletérios da imunodepressão e dessa terapêutica.

O prognóstico do linfoma primário de efusão é reservado e seu tratamento pouco eficaz. Tem sido tentada a terapêutica com o imunomodulador de segunda geração lenalidomida, com melhores resultados e tolerabilidade, sem efeitos colaterais.20 Há ainda a terapêutica, quando está limitado à cavidade pleural, pela pleurodese com bleomicina.21

 

CONCLUSÃO

São descritos o diagnóstico e a evolução clínica do linfoma primário de efusão, que se manifesta com derrame bicavitário, sem suspeita clínica, definido em aspirado de líquido pleural e ascítico incluídos em parafina, e realização de imunocitoquímica

 

REFERÊNCIAS

1. Swerdlow SH, Campo E, Harris NL. Classification of tumours of haematopoietic and lymphoid tissues. Lyon: IARC Press; 2008.

2. Pielasinski U, Santonja C, Rodríguez-Pinilla SM, Requena L. Extracavitary primary effusion lymphoma presenting as a cutaneous tumor: a case report and literature review. J Cutan Pathol. 2014 Jun;10(5):128-36.

3. Shi Y, Hou Y, Hu Q, Su J, Zeng H, Tan Y. A rare case ofHHV-8-positive/HIV-negative/EBV-negative primary effusion lymphoma in a renal transplant recipient. Cytopathology. 2012 Apr;23(2):137-9.

4. Chen Y, Brennessel D, Walters J, Johnson M, Rosner F, Raza M. Human immunodeficiency virus-associated pericardial effusion: report of 40 cases and review of the literature. Am Heart J. 1999 Mar;137(3):516-21.

5. Light RW. Clinical practice. Pleural effusion. N Engl J Med. 2002 Jun 20;346(25):1971-7.

6. Hassan T, Al-Alawi M, Chotirmall SH, McElvaney NG. Pleural Fluid Analysis: Standstill or a Work in Progress. Pulmonary Med. 2012 Aug;12(10):1-8.

7. Nussinson E, Shibli F, Shahbari A, Rock W, Elias M, Elmalah I. Primary effusion lymphoma-like lymphoma in a patient with inflammatory bowel disease. World J Gastroenterol. 2014 Jan 21;20(3):857-62.

8. Ganzel C, Rowe JM, Ruchlemer R. Primary effusion lymphoma in a HIV-negative patient associated with hypogammaglobulinemia. Am J Hematol. 2011 Sep;86(9):777-81.

9. Kaplan LD. Human herpesvirus-8: Kaposi sarcoma, multicentric Castleman disease, and primary effusion lymphoma. Hematology Am Soc Hematol Educ Program. 2013 Dec;6(1):103-8.

10. Soulier J, Grollet L, Oksenhendler E, Cacoub P, Cazals-Hatem D, Babinet P, et al. Kaposi's sarcoma-associated herpesvirus-like DNA sequences in multicentric Castleman's disease. Blood. 1995 Jan;25(8):1276-80.

11. Sabbah S, Jagne YJ, Zuo J, Silva T, Ahasan MM, Brander C, et al. T-cell immunity to Kaposi sarcoma-associated herpesvirus: recognition of primary effusion lymphoma by LANA-specific CD4+ T cells. Blood. 2012 Mar 1;119(9):2083-92.

12. Song JY, Jaffe ES. HHV-8-positive but EBV-negative primary effusion lymphoma. Blood. 2013 Nov 28;122(23):3712.

13. Chen YB, Rahemtullah A, Hochberg E. Primary effusion lymphoma. Oncologist. 2007 May;12(5):569-76.

14. Jujo T, Sakurai T, Sakao S, Tatsumi K. Cell blocks used to diagnose primary effusion lymphoma-like lymphoma. Intern Med. 2014;53(4):335-6.

15. Patel S, Xiao P. Primary effusion lymphoma. Arch Pathol Lab Med. 2013 Aug;137(8):1152-4.

16. Antonangelo L, Vargas FS, Teixeira LR, Vaz MAC, Sales MM, Moreira LC, et al. Linfoma primário de cavidade pleural em paciente imunocompetente. J Bras Pneumol. 2005 Dec;31(6):563-6.

17. Carbone A, Volpi CC, Caccia D, Gualeni AV, Cilia AM, Bongarzone I, et al. Extracavitary KSHV-positive solid lymphoma: a large B-cell lymphoma within the spectrum of primary effusion lymphoma. Am J Surg Pathol. 2013 Sep;37(9):1460-1.

18. Dai L, Trillo-Tinoco J, Bai L, Kang B, Xu Z, Wen Xet al. Systematic Analysis of a Xenograft Mice Model for KSHV+ Primary Effusion Lymphoma (PEL). PLoS One. 2014 Feb 28;9(2):1-9.

19. Ceran F, Aydin Y, Ozçakar L, Han U, Yildiz M. Primary effusion lymphoma: an untrivial differential diagnosis for ascites. Yonsei Med J. 2009 Dec 31;50(6):862-4.

20. Antar A, El Hajj H, Jabbour M, Khalifeh I, El-Merhi F, Mahfouz R, Bazarbachi A. Primary effusion lymphoma in an elderly patient effectively treated by lenalidomide: case report and review of literature. Blood Cancer J. 2014 Mar 7;4(3)190.

21. Yiakoumis X, Pangalis GA, Kyrtsonis MC, Vassilakopoulos TP, Kontopidou FN, Kalpadakis C, et al. Primary effusion lymphoma in two HIV-negative patients successfully treated with pleurodesis as first-line therapy. Anticancer Res. 2010 Jan;30(1):271-6.